Estratégias de estudar sem edital

Como em qualquer projeto, o concurseiro precisa de uma série de boas manobras táticas em seu caminho rumo à aprovação. E será mesmo que a ausência de edital publicado, com as “regras do jogo”, tornaria o preparo algo inócuo? Defendemos que não.

O edital, a famosa “lei do concurso”, é um parâmetro do que, de fato, será cobrado; ele, porém, é um aferidor de capacidades que o concurseiro terá de exibir no processo seletivo, não todo o arsenal de informações que um concurseiro pode – e deve – agregar para poder desempenhar bem o seu cargo. Daí que o edital, em si mesmo, não é imprescindível para o concurseiro sério e disciplinado. Como, então, estudar e se preparar sem edital na praça?

Antes de passar algumas dicas a respeito de como estudar sem um edital, permita-me fazer uma observação. Tática é o emprego de forças; estratégia, apesar da grande profusão do termo, sobretudo no meio empresarial, é o emprego de soldados (do grego stratos). Então entendo que o mais apropriado é dizer que deve ocorrer um emprego tático de manobras para conseguir o resultado almejado nos concursos públicos.

TÁTICA DO ESTUDO PELA MÉDIA - Essa tática é válida quando o candidato usa da prática de estudar para vários concursos ao mesmo tempo. Se a meta dele, por assim dizer, é ir para a área de Magistratura, existem matérias indispensáveis para alcançar o objetivo, além de leis e jurisprudência específicas. Assim sendo, o candidato a uma área – não apenas a determinado cargo – deve pegar a média de matérias cobradas e, ao chegar finalmente o edital, estudar as restantes, como uma adaptação.

TÁTICA DO ESTUDO DAS MATÉRIAS COMUNS - Há as matérias que se constituem em verdadeiras “figurinhas tarimbadas” de qualquer exame. Ora, se quero um cargo público, necessariamente preciso passar pelas duas mais cobradas em qualquer exame ao serviço público: Direito Constitucional, por lidar diretamente com direitos fundamentais ao cidadão, e Direito Administrativo, justamente por trazer elementos indispensáveis ao exercício do cargo, emprego ou função pública. Para qualquer concurso, não deixe de estudar – bem – as matérias fundamentais.

TÁTICA DO PORTUGUÊS - Não, não é a tática fornecida pelo seu Manoel. A tática do português é simples: para poder se comunicar com o examinador, conheça e fale corretamente a língua portuguesa. Para interpretar as questões objetivas, conheça e fale corretamente a língua portuguesa. Para ir bem na parte de Português, em Conhecimentos Gerais, conheça e fale corretamente a língua portuguesa. Estudar Português é fundamental para qualquer exame. Conhecer de gramática, regência verbal, acentuação, pontuação: quem quiser um cargo público precisa saber se comunicar.

Resumo da ópera - Essas são algumas das principais táticas de estudo sem edital. Concurseiro prevenido nunca pode ser pego de surpresa, nem ser ingênuo demais para esperar um edital ser publicado e só aí usar de quarenta a cinquenta dias para estudar. Não pense ele que vai conseguir alguma coisa, nessa trajetória rumo à investidura.

CLEBER OLYMPIO é um concurseiro que não será vítima dos detalhes.

IMPORTANTE - Os textos publicados nesse blog são de inteira responsabilidade dos seus autores em termos de opiniões expressadas. Além disso, como não contamos com um revisor(a) de textos, também a correção gramatical e ortográfica é de inteira responsabilidade dos mesmos.

———«»———«»———«»———



1 Response to "Estratégias de estudar sem edital"

  1. Paulo says:

    Ola, primeiramente parabéns pelo seu blog, descobri ele faz pouco tempo e ja li quase todo. Sou novato nessa área de concursos, e gostaria de saber se realmente vale a pena comprar um livro ao invez de uma apostila, so fiz o MPU até agora, e gostei bastante da apostila. Leio em vários lugares o pessoal recomendando livros e dizendo que apostila é apenas para revisão, e ai? realmente vale a pena ler 1000 paginas ao invez de 100 da apostila? obrigado!!

powered by Blogger | WordPress by Newwpthemes | Converted by BloggerTheme | Blogger Templates | Low Interest Credit Cards