O Teste do marshmallow

Em uma universidade norte-americana, com parte de um projeto de pesquisa, fizeram um experimento psicológico muito interessante com uma série de crianças. Elas eram colocadas em uma sala vazia contendo apenas uma mesa e uma cadeira, diante delas um prato com um único e apetitoso marshmallow (um tipo de doce gringo). A pesquisadora que as levava para a sala dizia que o marshmallow era delas, que se o quisessem comer poderiam, mas que se quando ela voltasse à sala encontrasse o marshamallow, daria mais um para a criança ... em suma, a criança teria de escolher entre o prazer imediato de comer o doce ou passar vontade por algum tempo para comer dois doces quando a pesquisadora voltasse. Enquanto isso, uma câmera escondida filmava suas reações ...



Sejam sinceros, esse experimento tem tudo a ver com a luta dos concurseiros sérios por uma vaga no serviço público, não é mesmo?! Vejamos.

O marshmallow solitário que recusamos comer são as coisas que poderíamos ter “aqui e agora” caso estivêssemos trabalhando com qualquer coisa ao invés de passarmos meses a fio estudando para concursos públicos. Olhe ao seu redor que você verá isso acontecendo. É gente comprando automóveis, eletrônicos, casando, montando casa, viajando. Tudo bem que fazem isso à custa de muito sacrifício e parcelado em trocentas vezes, mas estão fazendo.

Quando alguém decide se tornar um concurseiro sério, está abrindo mão do prazer imediato em nome de um prazer maior no futuro, em nome dos dois marshmallows que premiarão todo o tempo que se abriu mão de consumir e ao invés disso se estudou, de todo o sacrifício, de todas as dúvidas, incertezas, tristezas, força, motivação.

Vocês notaram a agonia das crianças querendo absurdamente comer o doce naquele momento, mas por conta da promessa de ganhar outro doce se recusaram o prazer imediato? Podem ter certeza de que as pessoas vêm em nós uma agonia parecida.

Para aquelas crianças, aqueles poucos minutos duraram uma eternidade. Ela se viravam e remexiam na cadeira, olhavam para os lados, namoravam o marsmallow imaginando o prazer que teriam ao comê-lo, batiam no braço, se frustravam, se entristeciam. Concurseiros solitários conhecem muito bem como o tempo escorre lentamente nesse período de luta, escorre lentamente a maior parte do tempo, mas passa rápido como um relâmpago quando as provas se aproximam.

Mas então a espera termina, a pesquisadora entra na sala e as crianças são recompensadas. Alegria. É assim que será quando formos empossados.

Resumo da ópera – Se uma imagem vale por mil palavras, um vídeo como o que abre esse artigo vale por um milhão delas, então assista-o novamente algumas vezes e nunca mais se esqueça dele.

Charles Dias é o Concurseiro Solitário.

IMPORTANTE - Os textos publicados nesse blog são de inteira responsabilidade dos seus autores em termos de opiniões expressadas. Além disso, como não contamos com um revisor(a) de textos, também a correção gramatical e ortográfica é de inteira responsabilidade dos mesmos.


1 Response to "O Teste do marshmallow"

  1. Patrícia says:

    Achei a coisa mais linda. Vou rever várias vezes. Tb estou na mesma luta "solitária" por uma vaga em concurso público. Obrigada pelo vídeo. Boa sorte.

powered by Blogger | WordPress by Newwpthemes | Converted by BloggerTheme | Blogger Templates | Low Interest Credit Cards