COLUNA DA MALU - E quando tudo dá errado?

O que fazer quando fazemos tudo, simplesmente tudo aquilo que nos era possível fazer e ainda assim nos damos mal nem um concurso? E, pior ainda, quando apostamos todas as nossas esperanças nesse bendito concurso e, no final, as coisas não saem conforme planejamos?

Acredito que todo concurseiro já deve ter passado por isso pelo menos uma vez na vida. Eu estou passando por isso nesse momento.

A gente se prepara com o melhor material, estuda tudo que está no edital pelo menos umas duas vezes e ainda faz umas duas revisões, faz todos os exercícios e provas passadas aplicadas pela banca, mas apesar de todo preparo e dedicação as coisas não acontecem da forma como esperamos. O que pode ter acontecido?

Fazendo uma rápida análise, vi que alguns fatores podem ter influenciado para tudo ter dado errado comigo:

Nervosismo – Esse é um dos principais inimigos do concurseiro sério. O nervosismo na hora da prova tira nossa concentração e compreensão do que está sendo pedido na questão, atrapalha nossa memória. Temos que aprender a controlar nossas emoções e tentar não ficarmos muito nervosos na hora da prova.

Pressão e cobranças – A pressão e a cobrança, não apenas de nossos familiares e amigos, mas de nós mesmos, também podem detonar meses de preparação do concurseiro. Não podemos levar para a prova todo aquele peso de ter que passar no concurso. Quando nos agarramos a um concurso como se ele fosse o último que existisse, colocamos um peso desnecessário sobre os nossos ombros que nos atrapalhará na hora da prova. Quando for fazer uma prova, esqueça as outras pessoas e toas essas pressões e tente não se cobrar.

A prova foi mais difícil do que nós esperávamos – Se a prova está mais difícil do que você pensava, não adianta se desesperar. Lembre-se que está difícil não apenas para você, mas para todos os outros candidatos. Nessa hora temos que ter calma e frieza para raciocinar. Muitas vezes nós até sabemos a resposta, mas achamos que está tudo muito difícil e o desespero domina nossas emoções. Não deixe que isso aconteça. Respire fundo e encare as benditas questões.

Esses são apenas alguns fatores que podem nos atrapalhar na hora da prova adiando a nossa sonhada vitória. O importante é analisar tudo aquilo que não saiu conforme o planejado, como estou fazendo. Estou analisando e tentando entender porque errei tantas besteiras, tantas questões que eu sabia a resposta e marquei errado. Como eu queria muito passar nesse concurso, devo ter colocado pressão demais em mim mesma e isso me atrapalhou bastante.

Resumo da Ópera – Algumas vezes as coisas fogem do nosso controle e aquilo que tinha tudo para dar certo, simplesmente dá errado. Nessas horas, temos que nos recompor e analisar aquilo que deu errado para não cairmos no mesmo erro novamente. Independente de qualquer coisa, acredito que tudo tem uma razão para ser e nada acontece por acaso. Então, se não fui bem em um concurso, é porque existe algo melhor reservado para mim. Pode ser que pensar assim seja apenas desculpa, mas pelo menos me conforta e me dá ânimo para seguir adiante. Sempre há esperança!

Malu Heli, concurseira do Paraíso das Águas, lembrando que nem tudo está perdido e a esperança é a última que morre.


——«»———«»———«»———

PERGUNTA DO DIA

O que você faz quando tudo dá errado? Quando as coisas simplesmente não acontecem da forma como você esperava?

Essa pergunta deve ser respondida em nossa comunidade no Orkut. Basta clicar no homenzinho ai em cima (você precisa estar conectado no Orkut em outra janela de navegador para ser levado à página de resposta).

———«»———«»———«»———

Clipe do Dia



A música de hoje é "Lucky", interpretada por Jason Mraz e Colbie Caillat. Mais uma música romântica para adoçar o dia de todo mundo!!!

ESPECIAL CONCURSEIRA CONVIDADA - Xô stress!

Quando escrevi o artigo de domingo passado falando sobre o meu estresse e ansiedade, não pensei que tantas pessoas se identificariam com meu problema! Para minha surpresa é mais comum do que eu imaginava! Infelizmente, os concurseiros não têm em mente apenas concursos públicos, mas também têm vida pessoal, família, problemas e etc.

Pensando em tudo isso e em como os estudos podem ser complicados, acabei fazendo uma lista de possíveis coisas que realmente ajudam nessa batalha.

Não somos robôs e justamente por isso que devemos ter um momento de total liberdade para que o estudo acabe rendendo mais. Engana-se o concurseiro que acha que uma hora de lazer trará prejuízo. Digo mais, não é um simples lazer, também é um descanso da mente!

Atire a primeira pedra quem nunca pensou em tacar um livro longe depois de horas de estudos sem ver uma pessoa ou ficar sem falar por horas (risos). Muitas horas de estudos devem ser feitas com uma certa qualidade, para que o estudo seja algo prazeroso e não maçante. E para ser aproveitado todo esse tempo, devemos ter certo hábitos em nosso cotidiano.

Acontece que o é bom para mim nem sempre será bom para você! Então, mesmo eu dando algumas dicas, cada um tem que ver o que melhor e o que realmente vai ajudar a sentir-se bem.

Tudo também depende do ritmo de vida que cada um leva e os horários livres para que possam ser feitos. Mas mesmo aquele que tem pouco tempo deveria tentar encaixar qualquer tipo lazer entre uma coisa e outra.

No meu caso percebi que o estudo é o meio para que eu passe no concurso que tanto almejo, porém não posso deixar de ter uma vida saudável ou parar de viver para o mundo lá fora. Não sei vocês, mas eu falo pra caramba!!!(rsrsrsrsrs) e um dia inteiro sem conversar me deixalouca. Eu tenho que entrar no MSN e conversar com alguém nem que seja por 10 minutos. Ou ligar para uma amiga. Ou entrar no orkut. Aliás, a Internet é uma tentação entre as horas de estudo, e por isso mesmo, que guardo somente para os momentos de diversão.

Comecei também a fazer exercícios físicos, que além de dar mais energia, vai trazer muitos benefícios em todos os sentidos. Sem contar, que os concurseiros acabam tendo uma vida sedentária, pelo menos os que só estudam. E justamente por isso, o exercício é extremamente necessário.

Outra coisa, eu estudo sozinha em casa (como já disse no outro post) e para quem estuda em casa sabe como é complicado ter 100% de foco nos estudos. Por exemplo: o telefone toca, a campainha "berra" e o cachorro late. Sim, no meu caso, o cachorro late e não é só isso, eles também fazem sujeira. Lá vai a Thaís lavar o quintal todos os dias. Poderia ser um tempo perdido, mas não é! Nesse momento eu escuto uma música, canto e ainda brinco com meu cachorro. Saí um pouco do mundo das leis e jurisprudências e vim para o mundo real.

Também fiquei pensando em diversas coisas e cheguei até a enumerá-las:

1) Saía de casa: Nem que seja para ir à padaria, ver gente ou nem que seja para conversar com a vizinha. Vá ao shopping, visite uma amiga ou sua avó que diz que você sumiu;

2) Leia outros livros: Tenho certeza que todos têm um certo tipo de gosto para leitura e nesse momento de lazer, uma boa leitura chega até ser relaxante;

3)DANCE: Nem que seja na sala, na cozinha, no quarto, no quintal ou na balada. Não importa, mas pelo menos, mexa-se! Não tem nada melhor do que escutar uma música bem alta;

4)Mantenha as amizades: elas são fundamentais e não nos deixam desanimar nunca;

5) Vá ao cinema: pelo menos uma vez no mês, mas só não vale assistir filme de terror, vai acabar deixando mais estressado;

6)Para quem tem namorado(a): dê mais atenção a esta pessoa que está ao seu lado, um concurseiro precisa sim de alguém para apoiá-lo. Caso, não seja tanto apoiado, vale lembrar se você não está fazendo o mesmo, deixando seu namorado(a) de lado pelos estudos. Dá sim para conciliar os dois;

7) Ria: Leia piadas, veja vídeos de humor no Youtube, não importa onde seja, contanto que você dê muuuuuuuuuuuuuita risada;

8) Viaje: nem que seja em seus pensamentos, use o poder da mente para atrair coisas boas e pensamentos positivos;

9) Brinque: do que você quiser, contanto que te façar relaxar. Vale até baixar o super Mario ou o Sonic no baixaki.com.br (rsrsrsrrsrs);

10) Não esqueça de quem é você e qual é o seu propósito: um lugar ao sol. Coloque os prós e contras e verás que tudo será recompensado.

Resumo da ópera - Acho que já disse tudo, agora cabe a você leitor, saber se deve ou não mudar alguma coisa em sua vida.

Vou deixar um pedaço do texto "Certezas" do Mário Quintana para que todos possam se inspirar:

"...Quero poder acreditar que mesmo se hoje eu fracassar, amanhã será outro dia, e se eu não desistir dos meus sonhos e propósitos, talvez obterei
êxito e serei plenamente feliz.
Que eu nunca deixe minha esperança ser abalada por palavras pessimistas...
Que a esperança nunca me pareça um "não" que a gente teima em maquiá-lo de verde e entendê-lo como "sim".
Quero poder ter a liberdade de dizer o que sinto a uma pessoa, de poder dizer a alguém o quanto ele é especial e importante pra mim, sem ter de me preocupar com terceiros...
Sem correr o risco de ferir uma ou mais pessoas com esse sentimento.
Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão...
Que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades e às pessoas, que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim...E que valeu a pena!!!
Espero que você meu querido amigo, conheça o verdadeiro significado de ser feliz, pois quem não compreende um olhar tão pouco compreenderá uma longa explicação...

———«»———«»———«»———

Vídeo para dar muita risada:



Vídeo para ter vontade de assistir esse filme que é ótimo, "Letra e Música", vale MUITO a pena:



COLUNA DA RAQUEL SOLITÁRIA - Prova Oral come mesmo criancinhas?

Desde que escrevi o primeiro artigo da série, as pessoas já se anteciparam com pavor. Começaram a falar que prova oral não poderia ser desprezada e outras coisitas mais.

Realmente, É APENAS MINHA OPINIÃO, mas eu também não me sinto confortável com provas orais, mas não porque pense que vá dar branco ou porque ache que são impossíveis. Eu tenho receio de, ao tentar formular um raciocínio, parecer insegura e gagueje (eu sou meio gaga). Muito pelo contrário, se existem profissionais que são aprovados e que são pessoas normais, é porque existe alguma tática para fazê-la.

As provas orais são constituídas de questões sob forma de perguntas ou é pedido ao candidato para falar sobre determinado tópico do conteúdo programático. Elas são muito comuns em concursos jurídicos, mas podem ocorrer em outros de outra área. Tudo é uma questão de previsão no edital, obviamente.

Geralmente, essa fase de concurso é realizada publicamente em um auditório e uma banca composta de 3 ou 4 pessoas (isso pode variar) avalia o candidato. É nesse momento que se avalia a fluência do candidato na matéria, se ele sabe tecer correlações entre os aspectos estudados e se tem boa capacidade de síntese, pois é preciso ter objetividade para atacar somente o cerne da questão.

As orientações para as provas discursivas são mantidas aqui nesse momento. Não se deve ir contra o examinador, pois a posição dele é bem mais confortável que a sua e te reprovar é fácil. Deve-se ser educado com o mesmo, usar uma linguagem acessível (não muito coloquial), mas para demonstrar que você internalizou bem o que estudou.

Outro ponto relevante a se ter em mente é que na prova oral, avalia-se o perfil do profissional e psicológico quando se coloca uma situação de pressão. Não preciso dizer que você deve ir à sabatina de terno (homem) ou roupa social (mulher). Concurseiras: os decotes, transparências, saias curtas devem ser banidas, maquiagens pesadas e cabelos desgrenhados idem. Concurseiros: nada e calça jeans!

Não se intimide se o examinador fizer perguntas de cunho pessoal, pois pode ser que ele queira te deixar à vontade (ele pode ter passado por isso). Se ele quiser te derrubar, não vá contra ele e não demonstre que se sentiu rebaixado.

Procure dar respostas bem completas quando dominar o assunto em questão e quando não souber, procure falar genericamente. Só não precisa entrar em parafuso com isso, pois nem todas as perguntas costumam ser aberrações. A maioria delas é básica e normal.*

Uma dica importante é se acostumar a falar em público e procurar se conhecer.

Auto-conhecimento nessas horas faz a diferença, pois sabemos nossos mecanismos de memorização e de como acioná-los.

Outra coisa: é impossível saber tudo sobre um determinado assunto. Há aquele mínimo essencial para se dominar, mas como concurseiro(a) sério (a) que você é, com certeza, haverá preocupação em conhecer essa essencialidade.

O medo que você sente, certamente, é do desconhecido. Então, se você for sempre assistir a prova oral de alguém (que é pública), não haverá porque ter medo.

Uma opinião controvertida, mas que penso que pode dar certo é a de que vale a pena estudar na véspera para prova oral. Afinal, a gente precisa manter o cérebro ativo. Mas enfatizo que é MINHA OPINIÃO APENAS.

Não se sinta intimidado pela platéia, pois eles são, na maior parte das vezes, estudantes, parentes dos outros candidatos e futuros candidatos. Então, a tendência é a de que eles aprendam com você.

Preocupe-se com sua expressão corporal, assim como as pessoas fazem nas entrevistas e dinâmicas de grupo. Tentar passar a sensação de calma, tranqüilidade são coisas importantes. Essa fase é como se fosse um psicotécnico.

Não fique indeciso quando responder às perguntas e fundamente bem as respostas.

Preste atenção a tudo que for falado pelos examinadores.

Resumo da Ópera: com um pouco de técnica, auto-conhecimento e estudo, você pode ter um diferencial nas mãos e prestar concursos com provas orais. Isso porque outras pessoas ficarão nervosas, mas você não ficará tenso(o) diante de uma situação dessas. Viram? Fazer prova oral não é impossível. Basta verificar que existem pessoas que sobrevivem a elas. Elas não comem criancinhas!

Raquel Monteiro, uma legítima concurseira carioca.

Concursos/Magistratura SP
Questões da prova oral do dia 07/05/2008 do TJ/SP

DIREITO CONSTITUCIONAL

1. Qual deve ser o compromisso ético do juiz em 2008?

2. O artigo 35 do LOMAN se resume em um só?

3. A EC/45 trouxe a duração razoável do processo. O que vem a ser duração razoável?

4. Normalmente, os juizes utilizam-se de um carimbo dizendo que estão sentenciando com atraso
devido a grande demanda. Este despacho seria ético?

5. Qual a função da CNJ?

6. Concorre cm a corregedoria da justiça?

7. Esse tema da duração razoável do processo já chegou ao STF?

8. Existe um direito fundamental ao processo?

9. Qual a solução mais ética é a judicial ou as alternativas e por quê?

10. O que é processo civil de interesse público

11. Existe alguma mutação do juiz no processo de massa?

12. Qual o papel dos princípios na jurisdição contemporânea?

13. Qual é o super princípio da CF?

14. O que vem a ser tópica como técnica interpretativa?

15. Qual a origem da tópica?

16. Essa novidade trazida pela lei de São Paulo em relação à utilização de pulseiras eletrônicas em
presos. Seria constitucional? qual seu posicionamento?

17. Qual a diferença entre tratamento desumano e degradante?

18. O que vem a ser inadequação semântica da constituição?

19. Porque o constituinte veda o anonimato na liberdade de expressão?

20. Como se afere a proporcionalidade do agravo no direito de resposta?

21. Essas notas na mídia assumindo que "erramos" ou "nos excusamos" seria proporcional ao agravo?

22. Na Ação Civil Pública, o MP alega a má utilização da água corrente em um determinado município cuja água é frequentemente utilizada para cultos afros onde galinhas mortas são arremessadas pela prática destes cultos. Como juiz, você daria a liminar para impedir esta prática?

23. Quais são os principais princípios em destaque na CF?

24. O que são direitos fundamentais imediatos?

25. Como se classifica os direitos fundamentais

26. Como se classificam as garantias? há diferenças entre direitos e garantias?

27. O que são garantias limites?

28. Qual a diferença entre liberdade clássica e liberdade concreta?

Fontes:

http://docs.google.com/View?docid=ajhq9cgwrwg2_251g9ds68
http://www.wiki-iuspedia.com.br/article.php?story=2008042807241113
http://www.lfg.com.br/public_html/article.php?story=20080714092828958&query=programaticos
http://www.jusbrasil.com.br/noticias/1819/-concursos-magistratura-sp-questoes-da-prova-oral-do-dia-07-05-2008-do-tj-sp

——«»———«»———«»———

Clipe do dia



"Move Your Feet" - Junior Senior

O maior e mais perigoso inimigo do concurseiro

Sábado passado - Acordei me sentindo estranho. Corpo percorrido por calafrios, garganta arranhando, nariz querendo ficar entupido ... não precisei de médico para fazer o diagnóstico correto, estava resfriado!

Claro que não me desesperei, afinal de contas, resfriado passa em alguns dias e apesar dos sintomas bastante incômodos, tomando cuidado o corpo dá conta da invasão virótica em alguns dias. Nada para me preocupar, muito pelo contrário, fiquei agradecido de ter ficado resfriado no final de semana anterior ao da prova do STJ e não nos dias anteriores à viagem, o que seria muito pior.

Segunda-Feira - Acordei me sentindo um lixo! Doia tudo, cabeça, corpo, alma. O nariz escorria como as Cataratas do Iguaçu, o apetite tirou férias junto com o ânimo para estudar. Simplesmente fui derrubado pela gripe, fui à nocaute, sem chance de reação.

A coisa era mais grave do que imaginava e comecei a me preocupar. Fui ao médico e ele confirmou meu diagnóstico. "É gripe mesmo, Charles, causado por essa mudança doida de temperatura. O negócio é tomar uns remedinhos para aliviar os sintomas, bastante chá e muito repouso".

Quarta-Feira - Acordei me sentindo um lixo! Tudo continuava doendo, o nariz já havia se tornado amigo de longa data dos lenços de papel Kleenex e a preocupação com a proximidade da viagem para Brasília só aumentava. Estudar que é bom ficou somente na boa vontade, pois não tinha a coragem ou ânimo necessários para nada além de ficar deitado olhando para a TV com o rabo dos olhos.

Voltei ao médico. "O estresse causa baixa da imunidade. Com a proximidade desse concurso que você vai prestar, com certeza foi isso que aconteceu. Eu mesmo passei por isso no final do ano passado quando terminei um curso de especialização em sblubles (não entendi o nome da tal especialização). Seguinte, vou te passar um tratamento de choque que vai dar um jeito nessa gripe. Você gosta de sauna?"

Sexta-feira - Depois de dois dias me entupindo de chás em temperatura de ebulição, xaropes e remédios diversos, tudo consumido após estar muito bem agasalhado de forma com que me tornasse uma sauna ambulante, hoje acordei quase curado ... o único porém é que tossia feito um cachorro resfriado ... heheehe ... melhor ... cof cof cof.

O que me deixa mais tranquilo é que meu médico já tinha previsto essa tossição (tosse não produtiva é o nome correto da coisa) e me passou um xarope supressor desse sintoma. O danado tem um gosto desgraçado de ruim, mas já começou a fazer efeito.

Esse episódio serviu para me mostrar de forma definitiva que o maior e mais perigoso inimigo dos concurseiros não são as bancas, a concorrência, as matérias, a falta de material, nada disso, é nossa saúde. Bancas aprendemos a lidar com elas, concorrência deixamos para trás estudando forte, as matérias damos um jeito de detonar, a falta de material contornamos com criatividade e iniciativa ... mas a falta de saúde não há como dar um jeito. Essa semana, por mais que quisesse estudar, por mais que soubesse que devia estudar, simplesmente não conseguia estudar e ponto final!

Quantas histórias já ouvi de concurseiros que foram derrotados em concursos por resfriados fortes como o que estou enfrentando, vômitos e diarréias incontroláveis, problemas de estômago e doenças dos mais variados tipos e causas! Se muitas vezes a enfermidade toma conta da gente por nossa própria culpa (falta de alimentação balançeada, exercícios regulares, cuidados básicos com a saúde, ...), outras vezes ela nos domina independentemente de nossa vontade. Se no primeiro caso não só podemos como devemos nos penitenciar, no segundo caso não há culpa, apenas lamentação.

Resumo da ópera - Cuidem de suas saúde, concurseiros! Eu cuido muito bem da minha e ainda assim fui derrubado numa hora crítica por um resfriado bravíssimo ... imaginem se eu não cuidasse!

———«»———«»———«»———

Clipe do dia



Sei que esse clipe é repetido ... só que eu gosto muito dele e da música ... além disso, tô doente e por isso tenho algumas regalias! Com vocês "American Boy" no ótimo duo de Estelle com Kanye West.

COLUNA DO SOLITÁRIO CONCURSEIRO - Diário de Guerra – Batalha 1: TRT-AL

Há 5 meses entrei em minha maior guerra concursídica. Composta por 3 batalhas (Alagoas, Goiás e São Paulo), percebi que guerra será mais difícil do que todos os concurseiros esperavam. A primeira batalha, em Alagoas, foi sangrenta. Apesar dos vários avisos de que a FCC estaria mudando suas armas, muitos concurseiros bons não deram a devida atenção e foram pegos de surpresa pela banca. O golpe foi fulminante.

Devido à pequena mas sólida experiência em concursos, sempre fico com a pulga atrás da orelha com as bancas. Ao olhar as provas da FCC mais antigas, percebi que as questões estavam muito fáceis para o atual nível de candidatos. Pensei: ou a banca eleva o nível das questões ou o concurso vai ficar sem graça. Devido ao alto nível, o desempate seria na idade, último critério utilizado pelo edital.

Então, estudei também pelos livros, apesar se não passar pela minha cabeça que a FCC mudaria na prova em Alagoas, estava esperando pela mudança na prova do TRT-GO. Esse pouco estudo da doutrina me ajudou muito na hora da prova. Resultado: fiz minha melhor prova de concurso, porém, devido ao nível alto, acho que não será suficiente para ficar entre os 200 colocados. Veja as minhas impressões que tive sobre a prova e cada matéria:

Português: as provas costumam ser bem elaboras e essa não foi diferente. Estudei somente pelo bom curso do Ponto dos Concursos - Cláudia Koslowisk em exercícios para a FCC – e consegui gabaritar a prova. Não pense você que foi fácil, a prova estava cheio de pegas, 3 textos (um poema) e questões extensas. Apesar de não estudar muito português, aprendi a fazer as provas da FCC e isso tem feito a diferença.

Direito Constitucional: prova ao velho estilho da FCC, muita decoreba e letra da lei. Quem não estudou a EC 45 teve certa dificuldade em fazer a prova. Cascas de banana foram jogadas sem dó na prova. Acertei todas.

Direito Administrativo: prova com nível fácil, apenas com uma questão de decoreba sobre a 9.784/99. O item em questão nunca tinha sido explorado pela banca e me pegou de surpresa porque eu não sou muito de decorar.

Direito do Trabalho e Processo do Trabalho: foram nessas matérias que o bicho pegou. Teve questão para todos os gostos. Súmulas e doutrina se juntaram aos prazos, números e outros decorebas usados intensamente pela banca e pegaram quase todos os concurseiros com as calças na mão. Consegui me atentar, a tempo, que a FCC poderia cobrar, nas questões de Processual do Trabalho, pontos que são subsidiados pelo Processo Civil e acabei estudando um pouco. Não o suficiente. Errei uma de bobeira de Trabalho e duas de Processual do Trabalho que eu realmente não sabia.

Redação: Tema sobre os jogos olímpicos, redação tranqüila de se fazer. Tinha lido, na semana passada uma reportagem sobre o assunto. Não precisei nem do rascunho.

Resultado da primeira batalha: 46 tiros que fizeram a FCC cambalear contra os 4 tiros fatais que recebi da banca.

Resumo da Ópera - Foi-se o tempo em que as bancas eram previsíveis. A dica é: estude tudo que a banca possa colocar na prova, aproveita e estuda o restante. Não dá mais para saber o que pode vir pela frente. No geral, gostei muito de ter feito a prova em Alagoas, foi uma boa batalha. A guerra ainda não acabou, é hora de sacudir a poeira. Quem ri por último, ri melhor. Que venha a FCC e o TRT do Goiás, estarei pronto!

Tiago Gomes, um guerreiro concurseiro especialmente para o Concurseiro Solitário.

——«»———«»———«»———
Clipe do dia



Toda vez que faço concursos, escuto algumas músicas e, para cada prova, uma fica marca. Dessa vez foi "Always Somewhere" do Scorpions. Junto com a risadas proporcionadas pelas "Pegadinhas do Mução", criou-se o clime que eu precisava para fazer a minha melhor prova desde então.


Fundação Carlos Chagas – FCC: Fundação Copia e Cola? Será?

No dia 21 desse mês, prestei concurso para o Tribunal Regional do Trabalho da 19ª Região com um total de 43.619 candidatos inscritos. Para o Cargo que concorri – Técnico Judiciário – Área Administrativa foram 28.783. Para as regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste não é um número exorbitante de candidatos, é um concurso de pequeno porte; no entanto, para Alagoas é um concurso de grande porte, tanto assim que é a primeira vez que as provas de um concurso de um TRT tiveram de ser realizadas em dois outros Estados: Bahia e Pernambuco. Devido a esse fato, houve até quem impetrasse Mandado de Segurança contra essa decisão da Fundação Carlos Chagas - FCC. Felizmente, todos foram julgados e indeferidos pelo Tribunal Regional do Trabalho-TRT/AL. A data da prova foi confirmada. Graças a Deus!

A prova foi muito bem elaborada, nível médio a difícil! Muito diferente das últimas provas que eu fiz para os Tribunais Regionais do Trabalho de Sergipe, Pernambuco e Paraíba. Para o TRT/AL a FCC colocou questões de doutrina, súmulas e questões que exigiam conhecimento do Código de Processo Civil. A FCC é conhecida entre os concurseiros como a Fundação Copia e Cola; pois bem, eu simplesmente fiz o jogo da Fundação Carlos Chagas; imprimi várias provas, analisei-as, eram pura decoreba; então, eu não fiz questão de aprender muita coisa, de aprofundar nos estudos; de ler súmulas do TST, apenas estudei resumos e procurei memorizar a literalidade das leis e da Constituição e resolvi muitas provas, muitas provas mesmo! A cada dia eram de uma a duas provas. A FCC repetia questões de provas passadas, cansei de responder questões idênticas a de provas anteriormente aplicadas. Devido a isso, eu não me preocupei muito, segui o meu ritmo de estudos (cerca de 5 a 6 horas diárias) achando que estava no caminho certo. Faltando duas semanas para a prova, comprei um material com 670 questões de provas da FCC de Trabalho e Processo de Trabalho para o cargo de Analista Judiciário e Técnico Judiciário. Respondi tranquilamente essas questões. Poucos erros e mais uma confirmação: apenas a literalidade da lei é suficiente! Não tem erro, eu vou detonar nessa prova! Chegou a minha vez ! Eu vou sair da fila dos concurseiros!

Por falta de aviso não foi, o Charles, em vários artigos postados nesse blog, nos tem alertado sobre isso. As bancas a cada dia surpreendem. As provas estão muito mais difíceis, colocam na prova questões de assuntos que não constam no edital (no conteúdo programático do edital para esse concurso não constava súmula e nem Processo Civil para Técnico, exigiam-se “noções”). Muitos candidatos desavisados, encontro-me entre eles, “quebraram a cara”. Até agora estou em nocaute! Passei a tarde toda com dor na cabeça, estressado e muito chateado. Perguntei-me várias vezes: onde eu errei? Simples a resposta: eu não levei a sério a FCC. Deveria ter estudado por manuais de Direito Processual do Trabalho e Direito de Trabalho e não somente resumo, ter lido súmulas, mesmo que não constasse no Edital, ter me aprofundado mais nos assuntos, ignorado a “fama” da FCC de copia e cola. Resultado: não fiz uma boa prova! Não tenho esperança de ter a minha redação corrigida (serão corrigidas as redações dos duzentos primeiros colocados), tendo em vista os erros por mim cometidos na preparação para esse concurso.

Resumo da Ópera - Prepare-se para o pior. Não importa o quanto seja fácil e pequeno o conteúdo programático. Maior quantidade de candidatos, nível das provas muito mais elevado. Não se baseiem por provas passadas. Os tempos são outros! Para se conseguir a aprovação você tem de ralar – e muito! Eu aprendi a lição! Perdi uma batalha, não a guerra. Eu não desisto nunca!!!

Alfredo Madeiro, um concurseiro que não respeitou o touro e por isso está sentindo na boca o gosto amargo da poeira do chão onde ficou estatelado!

——«»———«»———«»———
Clipe do dia



Mais uma vez - Renato Russo

COLUNA DA MALU - Uma semana muito louca!

Nesse último domingo, dia 21, prestei prova para o concurso do TRT de Alagoas. E a semana anterior à prova foi muito tensa e louca. Passei de um estado de estresse total para um de tanta tranqüilidade e calma que até agora não consegui entender como pôde acontecer. Vou fazer um resumo de como foi minha semana para vocês terem uma boa idéia de como foi isso:

Domingo – 14/09

Quase não pude estudar. Final de semana é sempre bem complicado para mim. Acho que foi quando começou meu estresse, porque eu queria estudar, eu precisava estudar e não conseguia.

Segunda – 15/09

Acordei preocupada. Muito preocupada. Sabe quando você sente que tudo vai dar errado, que foi perda de tempo ter estudado? Eu estava assim. Não estava conseguindo acreditar em mim mesma.

Terça – 16/09

Feriadão aqui em Maceió. Maior solzão lá fora e eu estava mais estressada ainda. Sinceramente, gente, eu estava cansada. Queria muito sair, ir à praia, ver gente, mas não conseguia. Só ficava pensando no que eu tinha que revisar, nos prazos que tinha que rever para decorar direitinho. Estava preocupada demais com a prova. Na minha cabeça era como se esse concurso fosse o último pra mim. O que não é verdade, claro. Mas naquela hora eu me sentia assim. Passei o dia estudando, mas à noite resolvi sair. Foi um passeio até o shopping mesmo, só com a família, mas que foi um santo remédio. Cheguei em casa me sentindo outra pessoa. Parecia que tinha tirado todo aquele peso das minhas costas.

Quarta – 17/09

Acordei bem melhor. Bem melhor mesmo! E nesse dia eu quase não estudei, pois tive que passar o dia na rua resolvendo algumas coisas para a minha viagem (estou indo pra Brasília essa semana para fazer a prova do STJ e do Senado em novembro). Se eu não estivesse tão relaxada, acho que teria entrado em pane por ter estudado tão pouco.

Quinta – 18/09

Passei o dia estudando, mas sem o estresse de antes. Foi muito bom. Meu estudo rendeu muito mais. Quando estamos preocupados é difícil conseguir estudar bem. Por isso que é melhor nem se estressar, porque piora tudo. À noite, recebi um presente muito especial de amigos mais do que especiais. Esse presente renovou os meus ânimos. Se eu já estava tranqüila, fiquei mais ainda. Foi muito bom!!!!

Sexta – 19/09

Estudei um pouco e depois tinha consulta com meu médico. E fui muito tranqüila, sem preocupação ou estresse.

Sábado – 20/09

Muitas pessoas falam que é melhor não estudar na véspera da prova. Eu concordo em parte. Acho que estudar um pouquinho é bom sim. Não é bem estudar, mas revisar algumas coisinhas. E depois fazer algo que a gente goste, que nos relaxe. Foi isso que fiz. Estudei um pouco pela manhã. Depois fui a um almoço de aniversário e à noite estudei mais algumas coisinhas. Para mim foi muito bom fazer isso. Estava calma e isso não me deixou estressada. Mas, cada um tem que saber seu próprio limite. Fazer aquilo que te deixa bem na véspera é muito importante. Seja passar o dia relaxando ou estudando.

Domingo – 21/09

O Dia D!!!

E como eu estava? Rindo à toa! Sério mesmo! Não sei de onde veio tanta calma e alegria. Eu nunca fiz uma prova assim. Só sei que acordei muito bem. Ainda peguei o código pra olhar alguns prazos. Como minha prova foi à tarde, tive tempo suficiente para relaxar. Então entrei na Internet, olhei algumas comunidades no Orkut e entrei aqui no blog pra ler o artigo do dia. Foi aí que vi o artigo da Thaís falando de tudo que ela passou e de como o estresse a prejudicou. E percebi que não precisava me estressar. Se eu não tivesse conseguido me acalmar durante a semana, teria chegado no domingo muito louca e provavelmente acabaria tendo um treco. E o que isso me adiantaria? Nada! Aquele artigo me deixou mais calma e relaxada do que eu já estava. Depois fui me arrumar (claro, né, gente, não vou fazer prova feito uma louca, toda feia e descabelada...risos), almocei e fui para o local de prova. Saí de casa bem cedo. Isso eu faço sempre e não é por estresse não. Temos que ser prudentes. Quando cheguei lá encontrei com minha amiga. Fazer prova na nossa cidade é muito bom, pois sempre encontramos amigos e conhecidos! Ficamos conversando. Sobre concursos? Que nada! As pessoas que estavam perto da gente devem ter pensando que nós estávamos ali por engano. Se, normalmente, já conversamos muito e falamos muita besteira, no dia da prova falamos mais besteiras do que o normal. Enquanto todo mundo estava estressado, estudando, nós estávamos ali, rindo, brincando. Foi bom demais! Entrei na sala e nem sentia que ia fazer prova. E a prova foi tranqüila.

Resumo da Ópera – Essa semana foi incrível. Senti todas as emoções que uma pessoa sente ao longo da vida em apenas uma semana. Agora estou mais experiente. Ficar nervosa e estressada por causa de prova eu não quero mais ficar. Entendi que concursos sempre existirão. Se não for esse, com certeza será outro. Minha hora vai chegar. O estresse só nos prejudica. Tranqüilidade na hora da prova é muito importante. Quando você estiver em semana de prova tente relaxar. Estude, mas não se estresse. Eu digo que não vale a pena. É bem melhor rir e aproveitar cada momento.

Malu Heli, Concurseira do Paraíso das Águas, tomando uma água de coco e relaxando enquanto escreve para o Concurseiro Solitário.


——«»———«»———«»———

PERGUNTA DO DIA

Como você se sente na semana que antecede um concurso? E no dia da prova? O que você faz para aliviar o estresse?

Essa pergunta deve ser respondida em nossa comunidade no Orkut. Basta clicar no homenzinho ai em cima (você precisa estar conectado no Orkut em outra janela de navegador para ser levado à página de resposta).

———«»———«»———«»———

Clipe do Dia



A música de hoje é "Three Little Birds", de Bob Marley. Essa múscia diz uma grande verdade: não se preocupe com nada, porque tudo ficará bem! E, no final, tudo realmente ficará bem! Então, concurseiros, estudem e relaxem! Eu estou fazendo isso.

COLUNA DA FABI - Amizades, Internet e Concursos Públicos

Quando comecei a estudar para concursos públicos para valer, nenhum dos meus amigos me acompanhou. Nenhum deles se sentiu “tentado” pela vida de funcionário público. A maioria estava satisfeita com suas profissões e por mais que eu tenha tentado, não consegui seduzi-los pela vida concurseira. Todos me desejaram boa sorte, mas não iriam me acompanhar nessa aventura concursídica.

Foi nesse momento que me senti só, abandonada no meu intento e na minha aventura.

Acabaram-se as baladas, as noitadas sem limites, dormir até tarde no domingo. Tudo isso faria parte do meu passado de baladeira. Agora eu queria muito mais! Eu queria um futuro! O meu futuro de Magistrada dependia de todo esse sacrifício! Era a minha vocação me chamando, mais uma vez! Sim! Estudei para concursos desde a minha formatura em 2000 até o ano de 2003 quando problemas particulares e familiares Ledo engano! Mas a vocação é assim mesmo, quando você menos espera, ela volta. E voltou! No final de 2005 voltei a estudar para concursos e dessa vez disse que seria para valer! Sem estudar “pela metade”, agora decidida a ser uma concurseira séria, de verdade. Afinal! Sempre gostei de estudar e isso já meio caminho andado para a aprovação.

Meu primeiro passo foi encontrar pessoas que passariam a fazer parte dessa minha nova vida. Foi quando corri para o Orkut e comecei a colacionar todas as comunidades de concursos que eu via. Foram nessas comunidades que encontrei pessoas com o mesmo objetivo de vida que o meu. Eu precisava reciclar as minhas amizades, precisava conhecer pessoas que tinham os mesmos objetivos que eu, unir forças em prol da aprovação. E foi na Internet que conheci as pessoas mais importantes para mim hoje, na minha vida de concurseira. Conheci vários amigos, e posso dizer que são amigos de verdade, pois amigos são os que te dão apoio nas horas tristes e estão com você nas horas de alegria. E assim é minha vida hoje. Conheci pessoas maravilhosas que sem elas, minha vida concurseira continuaria “pela metade”. Alguns já tive o prazer de conhecer pessoalmente, outras amizades fiz viajando para prestar concursos públicos. Sempre trago alguém no meu coração nessas viagens e também deixo um pouquinho de mim nessas pessoas.

Tenho várias “famílias” na Internet, como a Comunidade Macetes do Direito (www.macetesdodireito.com.br) que hoje eu tenho a honra de, junto com seu idealizador, fazer episódios do primeiro podcast de Direito do Brasil. Outra família é a Comunidade Direito do Trabalho Contemporâneo do Orkut, onde somos literalmente uma verdadeira família, pois conversamos/estudamos todos os dias no MSN, combinamos viagens de concursos juntos, ajudamos uns aos outros, sem limites, como verdadeiros irmãos que somos, um cuidando do outro, e assim vamos levando a vida concurseira. Engraçado que temos colegas que já lograram êxito nos concursos, hoje são juízes, são “Excelências”, mas estão ali, sempre presentes no dia-a-dia, porque como uma verdadeira família estamos sempre juntos. Essa energia de ver que eles “chegaram lá” é muito gratificante e, sinceramente, todos nós precisamos dessa "pílula diária" de ânimo.

Minha mais nova família, a que me recebeu de braços abertos, o Blog Concurseiro Solitário, onde muito pelo contrário do que seu título, não me sinto nada solitária e sim como mais uma irmã dessa outra grande família.

Meus amigos de balada? Estão no mesmo lugar! Claro que como toda amizade, ainda perdura, e sempre que posso, quando não estou inscrita em concursos, vou visitá-los e eles sempre me recebem de braços abertos, na esperança vã de que eu caia em mim e desista dos concursos. Risos.

Resumo da Ópera - Sei que alguns pensam que concursos e Internet não combinam, se você pensa assim, mude esse pensamento enquanto é tempo. Internet e estudos combinam, sim, e muito! Já tivemos vários artigos postados tratando do assunto. Falei tudo isso para que vejamos enquanto é tempo que o Orkut e a Internet não são o "bicho-papão" da história. Tudo tem que ser moderado. Nem tanto ao céu, nem tanto a terra. E tudo que é dosado é saudável, até mesmo um chá tomado em demasia faz mal.
Adoro esse blog! Passo aqui todos os dias, pois adoro essa injeção de ânimo! Realmente tive sorte em encontrar pessoas que são realmente comprometidas com o estudo e são colegas de verdade. Mas isso encontramos na vida real e também na vida virtual, é só saber procurar!

Fabiana Pacheco, da cidade do mais belo pôr-do-sol do Brasil (Porto Alegre) para o Concurseiro Solitário.

———«»———«»———«»———

Clipe da Fabi



Canção da América - Milton Nascimento

ESPECIAL CONCURSEIRA CONVIDADA -- No Limite

Bom, nunca escrevi para o concurseiro solitário e por isso vou começar falando um pouquinho de mim.

Meu nome é Thaís, tenho 20 anos e estudo para concursos públicos desde fevereiro de 2007. Comecei a estudar fazendo um cursinho preparatório que tem aqui em São José dos Campos, interior de São Paulo, onde moro. As primeiras semanas foram complicadas, queria estar em todos os lugares menos ali. Com o tempo, o cursinho foi me dando aquele ânimo e força de vontade para vencer, e também comecei a ver o esforço de todos para entender e aprender tudo o que era ensinado.

Então, o tempo foi passando, cursinho acabou, provas foram sendo feitas e acabou 2007 num resumo de cinco provas feitas. E foi um ano muito bom para concursos com vários fons concursos, principalmente para que já estava estudando há tempos.

Logo minha primeira prova foi do concurso para Escrevente Técnico Judiciário do TJSP, que teve mais de 100 mil inscritos. Não me apavorei, mesmo por que sabia que tinha pouco tempo de estudo e fiz o que pude. Dei o meu melhor naquela prova, mas não foi o suficiente para passar, porém, toda prova fica como experiência e vamos acumulando conhecimento. A última prova de concurso que prestei em 2007 foi para a Nossa Caixa no começo de novembro, e naquela época estava passando por problemas pessoais que posso dizer que me derrubaram antes mesmo de chegar na prova. Não tinha cabeça para estudar e sequer vontade de tocar nos livros (Não estou dizendo que foi por isso que não passei, mas sim, que o emocional pode nos noucatear antes mesmo de entrarmos no ringue). Apesar de tantos editais bons, não passei nenhum, acabando o ano apenas com o gostinho de quero mais.

Um ano novo que se iniciou e lá foi a Thaís para o cursinho de novo. Novo ano, novas metas, novos pensamentos e mais vontade de vencer. Chega uma hora em que ser aprovado se torna questão de honra (risos). Consegui a minha aprovação em março, apesar de não ter sido nos números de vagas. Senti-me aliviada, feliz pela “missão quase cumprida!”, feliz por saber que estava no caminho certo.

Estudei, estudei, estudei mais um pouco, mas ainda não havia chefado onde queria!

O fato é que nesses tempos comecei a ter quedas de pressão, desmaios, fortes dores de cabeça, enjôos que me deixavam o dia inteiro de cama, sem forças para nada. Não, não estou grávida (risos). Fui ao médico e ele me disse que estava bem e que os culpados por tudo eram o STRESS e a ANSIEDADE.

Não tinha noção, nem me passava pela cabeça que tudo isso era o que estava acontecendo! Sabia que o emocional podia me derrubar, como já tinha sentido na pele no final do ano passado, mas, sinceramente, não pensei que meu stress, nervosismo e ansiedade iriam chegar a esse ponto.

A verdade é que tem um momento em que chegamos ao nosso limite, um limite de tudo. De cansaço, de fraqueza, de desânimo e tenho certeza que no inconsciente de todos (pelo menos no meu acontece) temos, como nos desenhos animados, aquele anjinho e o diabinho. Um dizendo "VAI, VOCÊ CONSEGUE! VOCÊ ESTÁ PRÓXIMO..." e o outro "E SE VOCÊ NÃO CONSEGUIR??!?!?! E SE FOR MAIS UMA PROVA EM QUE SERÁ REPROVADO???? VOCÊ FICARÁ QUANTO TEMPO NISSO????".

E é justamente esse medo de sermos reprovados que nascem o nosso maior nervosismo e todos os sentimentos negativos possíveis!Daí começa uma novo luta de você versus você mesmo, a luta para não deixar que nada mais nos atrapalhe, nem que percamos dias valiosos de estudos para a prova que já está aí!

Estou estudando para o TRT de São Paulo e estou nessa guerra sozinha, estou estudando em casa com os livros e apostilas que comprei. Ninguém disse que seria fácil, mas sei que não é impossível. Mas foi com esse alerta do meu corpo que decidi agregar coisas novas ao meu dia-a-dia. Por exemplo, tenho que parar nem que sejam 10 minutos e fazer qualquer coisa que não seja estudo, concursos públicos ou qualquer coisa ligada a isso. Tenho que respirar fundo e fazer algo que me deixe bem relaxada. Eu adoro escutar músicas animadas e que dêem vontade de sair dançando e fazer isso tem sido ótimo para mim. E de vez em quando me dou ao luxo de fazer extravagâncias no final de semana, mas sem perder o foco, É CLARO! Acho que cada um tem seu jeito de desligar de tudo isso e deve fazê-lo, nem que sejam por alguns minutos todos os dias.

Resumo da ópera - Objetivos traçados, métodos e técnicas de estudos assimiladas, horários marcados e muita força de vontade não são suficientes nessa luta. Temos que ter a cabeça no lugar e a maior tranqüilidade possível para que a matéria consiga fixar em nossa mente. Temos de ter sempre em mente que nada do que foi planejado será concretizado se você estiver uma pilha!

Thais Rosario de Sousa Dias, uma concurseiro ex-estressada e ex-ansiosa, especialmente para o Concurseiro Solitário.

———«»———«»———«»———

Clipes da Thaís

Um pouco de comédia para alegrar o dia:



Terça Insana - Eu fico puto!

Uma música que eu gosto e que me dá forças:



Alexandre Pires - A Deus Eu Peço

COLUNA DA RAQUEL SOLITÁRIA – Algumas dicas sobre provas discursivas

Olá, estou de volta para mais um artigo sagrado no final de semana. Espero que tenham gostado do Podcast. Pena que tenha recebido poucos comentários. Desses poucos que recebi, alguns foram favor do meu posicionamento e outros contra. Por isso é que eu gosto desse blog: suscitamos sempre debates acalorados que só nos enriquece!

Esses comentários me motivaram a fazer uma série de continuação para o artigo da semana passada. Antes de qualquer coisa, eu REITERO QUE MEU ARTIGO NÃO REFLETE UMA VERDADE ABSOLUTA, MAS APENAS MINHAS IMPRESSÕES SOBRE O TEMA. Eis, um desses comentários:

“A diferença dos concursos mencionados pra analista é que esses têm prova discursiva e prova oral. A diferença não é a prova objetiva, realmente. Então, dificilmente a gente vê pessoas que não escrevem bem sendo aprovadas (como já cansei de ver analista assim). E pra responder uma prova oral com segurança tem que saber MUITO. Mas no seu caso Raquel, não tenho dúvidas de que vc poderia ser aprovada nesses considerados mais difíceis. Concordo com o artigo”.

Apesar de concordar comigo, pude perceber que a pessoa realmente se preocupa com a prova discursiva e com a prova oral. Parece mesmo um temor que as pessoas tem.

O outro comentário:

“Considero interessante a idéia, já mencionada por muita gente, de estudar para os concursos mais difíceis e prestá-los juntamente com os mais fáceis. Mas acredito existir um grande perigo na análise comparativa entre Defensor Público Da União e analista de Tribunal, por exemplo. Pois Defensor compreende outras provas, oral e para mim a mais difícil, subjetiva. Enquanto analista, por enquanto, só objetiva e subjetiva simples. Só para reflexão. As generalizações são perigosas”.

Como se pode ver, a preocupação com as provas discursivas e orais é uma constante. Todos as temem incrivelmente. Acreditam que eu temo mais a prova objetiva que a discursiva? Não, não sou do contra, mas penso que sintetizar uma série de conceitos, principalmente os jurídicos, numa única assertiva ser altamente perigoso. Já a prova oral, essa eu me arrepio de medo. Tenho receio de gaguejar. Entretanto, isso é habilidade que varia de pessoa para pessoa. Cada um de nós enfrenta um tipo de prova de forma diferente, seja com mais facilidade, seja com mais dificuldade.

Além disso, como mencionei no outro artigo, OS CONCURSOS MENCIONADOS NÃO SÃO IGUAIS, MAS ESTÃO FICANDO BEM SEMELHANTES. OS DE ANALISTAS ESTÃO FICANDO COM UM NÍVEL DE DIFICULDADE INCOERENTE. Já os da Advocacia Pública e de Delegado parecem ser mais coerentes.

Diante do medo que todos têm das mencionadas provas, andei peregrinando pelo Google e encontrei boas dicas para a realização de provas discursivas e orais. Vejam bem, NÃO SOU ESPECIALISTA NO ASSUNTO E AS CONCLUSÕES A QUE CHEGUEI SÃO FRUTOS DESSAS LEITURAS.

Comecemos pelas provas discursivas. É importante falar sobre elas porque boa parte dessas provas, em regra, se dão após a prova objetiva. Isso quando não acontecem no mesmo momento em que a prova objetiva.

Primeiramente, precisamos objetivamente, nos ater aos mesmos critérios que eu já mencionei em artigos pretéritos sobre redação e questões discursivas (clique aqui para o primeiro artigo e clique aqui para o segundo artigo).

Para nos ajudar, vou usar o espelho de correção do CESPE, pois é o único que é disponibilizado online. Além do mais, a banca CESPE é uma das maiores organizadoras de concursos, tanto de Analistas quanto de Advocacia Pública e de Delegado. Contudo, o mesmo raciocínio serve para demais bancas, sendo que a distribuição de pontos poderá ser diferente (afinal é outra banca). Cada edital irá informar isso. Eis o espelho:

ESPELHO DA AVALIAÇÃO DA PROVA DISCURSIVA- MODELO CESPE/UnB

Aspectos macroestruturais nota obtida faixa de valores

APRESENTAÇÃO TEXTUAL
Legibilidade (0,00 a 2,00)
Respeito às margens e indicação de parágrafos (0,00 a 2,00)

ESTRUTURA TEXTUAL (dissertativa)
Introdução adequada ao tema/posicionamento (0,00 a 4,00)
Desenvolvimento (0,00 a 4,00)
Fechamento do texto de forma coerente (0,00 a 4,00)

DESENVOLVIMENTO DO TEMA
Estabelecimento de conexões lógicas entre os argumentos (0,00 a 4,00)
Objetividade de argumentação frente ao tema/posicionamento (0,00 a 4,00)
Estabelecimento de uma progressividade textual em relação
à seqüência lógica do pensamento (0,00 a 4,0
Aspectos microestruturais

Tipo de erro 123456789 0123456789 0123456789 0123456789 0123456
Pontuação
Construção do período
Emprego de conectores
Concordância nominal
Concordância verbal
Regência nominal
Regência verbal
Grafia/acentuação
Repetição/omissão vocabular
Outros

Nota no conteúdo (NC) NC=5 : 28 x (soma das notas dos quesitos)
Número de linhas efetivamente ocupadas (TL)
Número de erros (NE)
NOTA DA PROVA DISCURSIVA (NPD): NPD=NC – 3 x NE : TL

(Fonte: http://www.cursoaprovacao.com.br)

* Esse espelho ajuda a atentar sobre a estrutura do texto. O concurso pode ser de qualquer nível de dificuldade, mas ter uma redação limpa é um ponto comum a todos ele! Então, trate de ter uma letra bonita. Afinal, questão discursiva não é só Direito, mas domínio da Língua Portuguesa também.

* Além disso, não basta saber o Direito, as divergências da doutrina, tampouco da letra da lei; é preciso ordenar com lógica as idéias. Ter objetividade é fundamental. Responda, portanto, estritamente àquilo que foi perguntado. Não “floreie” demais.

* Outra dica, sempre usar um esquema mental de hierarquia entre as leis e demais espécies normativas quando for raciocinar sobre a questão. Assim, você parte do aspecto geral para o específico. Trocando em miúdos, é procurar o fundamento constitucional para o assunto, depois verificar se a matéria está disciplinada em leis, decretos, demais espécies normativas (se existirem) e jurisprudências para enriquecer a sua resposta.

* Faça todo o possível para esgotar o assunto, pois segundo o professor Bruno Silva (clique aqui para acessar seu site), as provas são corrigidas em itens. O examinador vai checando se cada um deles foi respondido. Assim, se você responder tudo, leva a pontuação toda; se responder parte dela, leva a pontuação proporcional. Claro que tudo isso sem fugir do foco da questão. Por isso, reforço, não acha a lingüiça, mas também não deixe questões em branco! (risos)


* Se você estiver precisando fazer um parecer, há bons modelos na página da AGU (Advocacia Geral da União). Basta fazer uma busca por assunto aqui (clique para acessar) e seguir a estrutura apontada. Assim, será possível treinar para a prova na segunda fase.

* No site do Planalto (olha ele aí de novo) (clique aqui) e no site da Câmara dos Deputados há dois importantes manuais de redação oficial que irão ajudar na redação de pareceres e outros documentos importantes (Clique aqui para acessar)

* Outras peças processuais que sejam necessárias podem ser obtidas no site http://www.neofito.com.br/ , em http://jus.uol.com.br/pecas/ Aqui, achei Ações Populares, Ações Civis Públicas, Mandados de Seguranças e outras ações importantes.

* Muito importante para fazer provas discursivas é ler muitos textos com boa linguagem jurídica, partindo do mais fácil para o mais difícil. Então, não queira ir lendo, por exemplo, textos do Ministro do STF, Gilmar Mendes de pronto. Os textos dele são de grande qualidade, mas é preciso conhecer o Direito Constitucional bem detalhadamente para poder entender. Claro que, após essa fase inicial, a leitura dos textos dele será fundamental. Afinal, estamos falando do Presidente do STF, um grande formador de opinião.

* Outro aspecto importante é que a leitura jurídica irá dar subsídios para formar um vocabulário técnico adequado para conseguir responder bem às questões, seja qual for o tipo de concurso que você objetive. Isso é resultado de muita leitura básica aliada à leituras atuais e específicas, encontradas em periódicos como Revista dos Tribunais, Revista da AGU, entre outras.

* Muito importante atentar para qual instituição se está prestando concurso, pois geralmente, será considerado correto um posicionamento em favor dela. Ex.: Prova da Petrobrás. Pede-se para redigir um parecer sobre uma ação civil pública relativa ao Direito Ambiental. Obviamente, o candidato deverá buscar elementos de defesa da instituição. É uma questão de vestir a camisa da instituição, entendem?

* Cuidado com a profundidade das suas respostas, pois se o número de linhas for pequeno, você corre o risco de não conseguir responder a todos os quesitos necessários para a pontuação total. Além disso, convém não querer ser inovador demais, pois pode ser que o examinador não concorde com seu posicionamento ou sequer o conheça. Isso é mais raro, mas pode acontecer porque há sempre doutrina nova saindo do forno com muita rapidez. Por isso, deixe a sua vaidade em casa, pois o examinador está em posição muito mais confortável que a sua.

Resumo da Ópera – Ensinar tudo sobre questões discursivas em um só artigo é impossível, mas com essas dicas já é possível começar a caminhar. Não é um caminho pelo qual você rigorosamente deve percorrer, mas a mim tem ajudado e muito. Mantenha-se estudando, treine muitas questões de todos os tipos e seja feliz! O caminho e o resultado serão felizmente inevitáveis: aprovação.

Na próxima semana, será a vez das provas orais. Não percam.

———«»———«»———«»———

Para encerrar esse artigo com chave de ouro, nada melhor que outro Podcast Solitário da Raquel Solitária!

Boomp3.com

(clique no botão acima para ouvir)


Controlando as HLE

HLE ou Horas Líquidas de Estudo são horas efetivamente estudadas, um conceito simples de explicar, simples de entender, mas para muitos, complicadíssimo para colocar em prática.

A culpa da dificuldade de usar as Horas Líquidas de Estudo advém de nossos costumes e experiências anteriores nos estudos e no trabalho. Ninguém nunca nos disse que devemos descontar tempos não gastos efetivamente com uma atividade. Se passamos cinco horas na faculdade, dizemos que essa é nossa carga horária, mas não descontamos o tempo dos intervalos. Se trabalhos oito horas, também dizemos que essa é nossa jornada de trabalho, mas não descontamos o tempo do almoço, das idas ao banheiro e tal..

(In)Felizmente, quando o assunto é estudar para concursos públicos, temos de esquecer essa forma, digamos, pouco honesta de contar o tempo e passar a contar o tempo realmente estudado. Vejamos como isso funciona com um exemplo prático.

A concurseira Mariana estuda todas as manhãs apenas. Ela acorda às 6:00 e fecha os livros às 12:00. Para todos os efeitos ela estuda seis horas por dia. Certo? Errado. Vejamos o quanto ela realmente estuda.

Vemos, claramente, que Mariana não estuda de forma contínua do momento que levanta da cama ao momento em que termina a manhã de estudos, o que torna suas seis horas diárias de estudo Horas Brutas de Estudo (HBE). Então façamos as contas com cuidado, descontando dessas Horas Brutas de Estudo seus intervalos ao longo da manhã.

Temos então que nossa amiga concurseira Mariana estuda efetivamente cinco horas por dia, essas, sim, suas Horas Líquidas de Estudo (HLE)!

Essa diferença entre as HBE e HLE impactam fortemente na estratégia e planejamento de estudo do concurseiro. No caso de Mariana é uma hora diária, totalizando sete horas semanais e trinta horas mensais ... ou seja, se ela apenas considerar as HBE, numa semana ela estuda uma manhã a menos e num mês cinco manhãs a menos! Agora, se ela considerar ambas, saberá o quanto está efetivamente estudando e poderá controlar facilmente qualquer desvio no planejamento de estudo.

Como usar o conceito de HLE? Simples, basta que em seu planejamento de estudo seja detalhado até o nível de horas diárias de estudo, algo do tipo:

Com esse horário diário basta usar um relógio para ajudá-lo a obedecer as horas estipuladas. Para não precisar ficar olhando no relógio várias vezes, use a função despertador!

Agora, para ninguém interromper o concurseiro durante sua jornada de estudo, ele tem de morar sozinho no topo de uma montanha e mesmo assim não está livre de se auto interromper. Claro que de vez em quando a vontade de ir ao banheiro não espera o horário do intervalo, a necessidade de dar uma paradinha não aparece antes também, o telefone não toca com uma ligação importante. E o que fazer quanto a essas paradas inesperadas? Simples, basta compensar.

Digamos que nossa amiga Mariana tenha ido no dia anterior comer uma pizza com os amigos, e que aquele pedaço de Calabreza com Catupiry não tenha lhe feito muito bem, não, e que, por isso, ele se veja obrigada a visitar o toalete duas vezes na manhã, gastando dez minutos em cada visita. Ela terá de compensar esse tempo para poder manter as cinco HEL do dia.

“Mas qual o problema de não estudar vinte minutinhos num dia?” você deve estar perguntando. Vinte minutos num dia não é praticamente nada mesmo, mas esses “intervalos” não programados acontecem praticamente todos os dias e no final, quando são somados, vê-se que o concurseiro não estudou horas preciosas equivalentes a alguns dias de estudo!

E como compensar os “intervalos” inesperados? Simples, deixando uma margem de manobra no planejamento diário. Desse modo:

Note que Mariana fez uma pequena modificação no seu programa diário de estudos que lhe deu essa margem de manobra. Se fosse nesse dia que ela fizesse o “intervalo” de 20 minutos a mais por culpa do pedaço de pizza, ela poderia estudar até às 12:20, compensando, portanto, essa diferença e terminando a manhã tendo feito suas cinco HLE!

Resumo da ópera – Como vocês podem ver, usar o conceito de Horas Líquidas de Estudo (HLE) não é complicado, muito pelo contrário, é algo que exige apenas três coisas, planejamento minucioso, disciplina e honestidade consigo mesmo. Eu uso muito HLE e conheço muito bem seus benefícios. Não é sempre que dá para usar esse conceito, pois há semanas em que nossa vida está mais atribulada como de costume, mas aí é outra história.

———«»———«»———«»———

Atendendo a pedidos dos leitores do blog, domingo publicaremos um artigo especial com um exemplo de planejamento de estudo para quem trabalha o dia todo. Não percam!

———«»———«»———«»———

Dica Musical do Dia

(clique na imagem para acessar o site do Revoluções por Minuto)

Hoje não vou lhes apresentar uma música ou um clipe musical, nada disso, será algo muito melhor. O "Revoluções por Minuto" é um podcast musical português muito bom, que apresenta programas mensais com ótima música. Todos os programas já feitos estão disponíveis para download gratuíto, podendo também serem ouvidos online. Uma ótima companhia para os estudos. Vale o clique.

COLUNA DO SOLITÁRIO CONCURSEIRO - Até quando?

Vou perguntar novamente: Até quando?

Esse é o maior puxão de orelha que o concurseiro pode dar em si mesmo. Essa simples pergunta pede muito além de uma simples resposta, ela cobra uma mudança de comportamento, de postura, de atitude. A partir do momento em que decidimos enveredar pelo espinhoso caminho dos concursos, devemos ter em mente o quão importante é nossa cobrança em relação ao nosso próprio desempenho. Ao nos perguntar “Até quando?” somos obrigados a refletir sobre uma mudança necessária.

Muitos concurseiros deixam a preguiça atrapalhar os estudos, se desmotivam diante de qualquer obstáculo e não cumprem ou nem fazem um planejamento de estudos.

Até quando?

Outros não perdem uma balada. Não mudam em nada a sua atitude. Não fazem o menor esforço para se manterem focadas. Deixam que pequenas coisas, como o telefone, lhe tirem a concentração. Até o cachorro atrapalha e não fazem absolutamente nada.

Até quando?

Há aqueles que dão ouvidos demais a falsos concurseiros, a boatos de fóruns, a rankings mentirosos. Preocupam-se mais com a concorrência do que com os seus próprios estudos.

Até quando?

Existem, também, aqueles concurseiros que não conseguem se comprometer com os estudos. Não definem um objetivo. Compram apostilas e as deixam em um canto, crentes que é o suficiente para se passar em um concurso público.

Até quando?

Tem os que se chamam de concurseiros, mas está mais para sanguessugas e grilos. Pegam matérias de tudo quanto é lugar. Compram apostilas e livros. Pede material emprestado. Fala pra todo mundo que estuda, que está “quase passando”. Enquanto isso, o tempo passa e ele continua na mesma, sem fazer nada. Só fala.

Até quando?

Resumo da Ópera: Essa pergunta suplica uma mudança de postura. Se você já exercita essa auto-cobrança, ótimo. Se está dentro de algum exemplo citado acima, é hora de vestir a carapuça e praticar a mudança que o estudo para concursos pede. Se ainda não se fez essa pergunta, experimente. Até quando?

Tiago Gomes, um solitário concurseiro especialmente para o Concurseiro Solitário.

———«»———«»———«»———
Clipe do Dia



Gabriel, O Pensador com "Até Quando" ... essa música diz tudo.

———«»———«»———«»———

ATENÇÃO - Em virtude de alguns comentários anônimos desagradáveis postados recentemente no blog por pessoas que não estudam para concursos e querem somente promover correntes, produtos e tal, fomos obrigados a acionar um sistema de identificação para postagem de comentários. Basta fazer um pequeno cadastro e você poderá postar comentários quando quiser, com segurança e tranquilidade.

Por favor, não deixe de comentar os artigos postados no blog, pois são de seus comentários que vêm muitas idéias de artigos.

Osso duro de roer

Interessante como essa série de artigos sobre planejamento de estudos está dando o que falar entre os leitores do blog. É muito bom saber que estamos ajudando muitos de vocês a planejarem melhor seus estudos e, com isso, aumentar suas chances de aprovação em concursos públicos, afinal de contas, é essa justamente nossa intenção com o blog.

Venho recebendo alguns comentários quanto às regras necessárias para que esse modo de planejamento funcione efetivamente. Alguns concurseiros comentaram que são muito duras e impositivas, que demandam demais de quem usa esse tipo de planejamento. Bem, gente, nunca disse que seria fácil ... assim como nada na guerra dos concursos públicos é fácil.

Vejamos rapidamente cada uma das regras.

1ª Regra – Obedeça ao planejamento feito!

Isso é básico. Não adianta nada gastar seu tempo estudando esse método de planejamento, fazendo seu próprio planejamento, para no final não seguir o que planejou. É insano fazer isso. Se você não tem interesse de estudar com a disciplina e seriedade que esse planejamento exige, então nem perca tempo com ele! Simples assim, franco assim, verdadeiro assim!

2ª Regra – Faça apenas os ajustes estritamente necessários!

Outra coisa básica. Também não adianta nada fazer um planejamento detalhado e cuidadoso, para que ele seja adaptado, modificado e descaracterizado ao logo do tempo para suportar todas as mínimas necessidades do concurseiro. Muita gente pode não concordar comigo, mas sou partidário de que o concurseiro que tem de se submeter ao planejamento e não o contrário. Por que? Simples, porque o planejamento bem feito é orientado para permitir que o concurseiro obtenha seu melhor rendimento nos estudos e somente será eficiente se for seguido à risca.

3ª Regra – Compense horas de estudo perdidas!

Mais uma coisa básica. Se o planejamento de estudo contempla x horas de estudo diárias, nada mais honesto consigo mesmo que compensar as horas estudadas a menos em determinado dia. É aquela velha história, horas estudadas a mais são bem vindas, horas estudadas a menos são problemas!

Então, gente, aconselho aprender o método de planejamento explicado e praticá-lo somente se você tem certeza absoluta de que realmente está pronto e a fim de usá-lo como se deve. Não perca seu tempo fazendo isso se você não estiver pronto ou disposto a fazer isso.

Além disso, essa receita de planejamento não é a única que existe e muito menos a melhor de todas. Pode ser que ela seja completamente inadequada para seu perfil de estudo, para sua realidade em termos de tempo disponível de estudo ou metas concursídicas. Se esse é o seu caso, sugiro fortemente que você pesquise por outras receitas de planejamento ou mesmo desenvolva sua própria receita, que pode até ser baseada na receita que expomos.

Resumo da ópera – O que importa é ter um bom planejamento de estudo, seja ele esse ou qualquer outro. O que não dá para fazer é estudar sem planejamento e achar que está estudando certo, porque não está. A guerra dos concursos públicos é dura e impiedosa, é um enorme osso duro de roer, então é melhor fazer isso com todas as armas disponíveis do que atacar o monstro apenas com um pedaço de pau!

———«»———«»———«»———

Clipe do Dia



O duo de electronic jazz Koop é formado pelos suíços Magnus Zingmark e Oscar Simonsson e sempre estão lançando remixes muito interessantes. Em "Come to Me"convidaram a talentosa Yukimi Nagano para assumir os vocais. O clipe é muito bem feito e bonito, valendo a pena ser assistido enquanto a música é apreciada.

powered by Blogger | WordPress by Newwpthemes | Converted by BloggerTheme | Blogger Templates | Low Interest Credit Cards